Contamos com sua
parceria para
seguirmos em frente
Ano 22                                                                                                          Editado por Jomar Morais
 
 


 
 


Planeta Jota é um site independente com um olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com esse projeto iniciado há 22 anos.
A cada doação você pode solicitar um livro digital ou um fac-símile da seção Documento

Obrigado por sua colaboração.

 
vitrine pj
tv sapiens
Índia, dez anos depois
SANTUÁRIO EM MUTAÇÃO
Uma rápida parada na Índia, no meu retorno do Nepal, foi o suficiente para avaliar o impacto da ascensão econômica e tecnológica daquele país no dia a dia do povo: a riqueza trouxe conforto, mas podou a paz
por JOMAR MORAIS

A NOVA ÍNDIA

10/12/2015
Comentários

Clique no megafone e deixe seu comentário sobre esta
e outras matérias publicadas no Planeta Jota >>>
CAMPANHA ELEITORAL EM DELHI: a Índia envolvida com temas que antes pareciam só preocupar a ocidentais: drogas, violência contra mulheres e uso livre do wifi. Na foto menor, JM junto ao ícone de Hanuman, em Rishikesh: ao contrário de 2006, poucos devotos nos santuários e um aumento do fervor consumista. 

ATENÇÃO: antes da leitura deste relato, clique e acesse AQUI a reportagem Índia, a deusa de mil faces sobre o primeiro mochilão de Jomar Morais na Índia, em 2006, tema de edição especial da revista Viagem, da Editora Abril. Foram 45 dias de périplo inesquecível por várias regiões do país.

Há quase uma década, após percorrer 10 mil
quilômetros no multifacetado território da
Índia, recorri ao roteirista francês Jean-
Claude Carrière para resumir minhas
impressões. “É difícil amar a Índia”, disse
Carrière num livro em que expõe sua paixão
por esse país fascinante. Mas, acrescentei
na época, é também difícil, muito difícil, não
se deixar seduzir pela Índia. E mais difícil
ainda esquecê-la. Amando-a ou detestando-
a, voltamos para casa com uma marca
formatada por choques e êxtases que, de
algum modo, nos faz refletir sobre o que
jamais pensamos antes.

Foi a paixão, e o pedido de um amigo
curioso sobre minhas aventuras mochileiras -
o filósofo José Ramos Coelho -, que me
trouxeram de volta ao palco de meu  maior
mochilão, fonte de minha melhor matéria
jornalística, chave de ouro com que encerrei
meu ciclo de 40 anos em Redações. E,
apesar da brevidade da passagem,
aproveitando a sobra de tempo de um
mochilão no Nepal, ter esse momento de
intimidade com a amada trouxe de volta
antigas emoções e a constatação de que, no
passado, fui bastante modesto em minhas
previsões sobre o futuro da Índia e de sua
cultura milenar.

Ainda é possível ver aqui ocidentais
atordoados com o choque entre suas
idealizações e uma Índia real feita de
barulho, poeira, multidões e temperos fortes.
Mas a verdade é que a velha Índia, mais rica
e poderosa, está cada vez mais parecida
com o Ocidente.

Nova Delhi, a capital, e Mumbai, a São Paulo
indiana, são os maiores espelhos dessa
mudança. Delhi ganhou um aeroporto que se
encontra entre os melhores e mais high-tech
do mundo e tem agora um metrô expresso
luxuoso e silencioso sem paridade no
planeta. As vacas e os elefantes sumiram de
sua área central, que se encheu de
semáforos, a população tem sido encorajada
a largar o hábito de cuspir nas calçadas e os
turistas advertidos sobre a esperteza dos
“touts”, os atravessadores.

As vias de acesso à cidade estão repletas
de shopping centers gigantescos. Suas ruas,
em tempo de eleição, exibem pautas sociais
que surpreendem, mesmo quando se
considera que há décadas a Índia é uma
potência tecnológica, uma democracia
vibrante e uma das maiores concentrações
de PhD do planeta. Trabalhadores e
estudantes conseguiram organizar um
partido forte, o AAP (Partido do Homem
Comum), que tem propostas audaciosas
para a sociedade. Nas eleições municipais
do último dia 7, o AAP disparou na conquista
de cadeiras no Parlamento municipal de
Delhi e de outras cidades, um fenômeno que
a imprensa indiana rotulou de "tsumani AAP".

Há menos hindus rezando, nos fins de tarde,
nos pequenos santuários de rua. Em
compensação, os “kirtans” dos canais de TV
religiosos estão cada vez mais parecidos
com o padrão Igreja Universal. Até mesmo
em Dharamsala, reduto tibetano na Índia,
onde me encontro agora, ecoa mais forte nas
ruas o som da música pop produzida em
Mumbai do que os mantras que, no passado,
constituiam uma espécie de trilha sonora do
dia a dia.

Em 2006, sugeri aos interessados em
conhecer a única cultura ancestral viva em
pleno século 21 apressarem-se em pegar um
avião para a Índia. Nove anos depois, ainda
apaixonado por essa terra fantástica - mas
agora perplexo com a velocidade das
mudanças - temo que já não haja tempo.
    
[ Publicado na edição do Novo Jornal de 10/02/15 ]
SINAL DOS TEMPOS - Preste atenção ao detalhe da oferenda aos pés do Buda Sidarta, no altar do principal templo budista de Dharamsala: o Tsug Lakang, também conhecido como o "templo do Dalai" por situar-se na área da residência do Dalai Lama e ser o local onde ele costuma aparecer em púbico. Em vez dos tradicionais bolinhos de arroz, frutas e flores, ali estão biscoitos finos "low fat, 0% colesterol" e mel industrializado. Buda em dieta... É tudo tão arrumadinho (há uma réplica do pacote junto a outra perna do ídolo), que chego a imaginar que se trata de merchandising de alguma indústria solidária com a comunidade tibetana no exílio.
FRUTOS DO DINHEIRO - na foto acima, a área da Imigração no novo aeroporto de Delhi, um dos melhores do mundo. Embaixo, o metrô expresso high-tech que liga o aeroporto ao centro da cidade.
TEMPLO DA RIQUEZA - colossal e luxuoso, o Lakshmi Narayan Mandir, templo construído na área central de Delhi, é deslumbrante e moderno. Lakshimi, esposa do deus Vishnu, é a "deusa da fortuna". Seu super templo também é conhecido como Birla Mandir, por ter sido construído pela família Birla, uma das mais ricas da Índia.
BRINCANDO DE SER INDIANO - JM no Connaught Place entre cabos eleitorais do AAP (Aam Aadmi Party, ou Partido do Homem Comum), a novíssima força política da Índia, que surgiu da luta contra a corrupção endêmica no país. O AAP propõe reduzir os salários dos políticos, restringir o trabalho militante a voluntários e acabar com os consultores que fazem o jogo dos interesses privados na administração pública.
FORÇA MUÇULMANA - em Old Delhi, a mesquita Jama Masjid, a maior da Índia, simboliza a força do Islamismo no passado e no presente do país.
DEVOÇÃO NO GANGES - Jomar Morais e José Ramos Coelho em Rishikesh, a capital do Yoga na Índia, revelada ao mundo pelos Beatles, que lá aprenderam meditação com o Guru Maharishi nos anos 1960.
O TIBETE INDIANO
NA MECA DO BUDISMO - Jomar Morais (à direita) e o filósofo José Ramos Coelho chegam a Dharamsala, a cidade acomodada entre florestas em colinas e picos cobertos de gelo durante o inverno que, em 1959, acolheu o Dalai Lama Tenzin Gyatso e milhares de tibetanos que fugiram de seu país, invadido pela China.
Um minuto para o Tibete

A questão do Tibete, o país mais alto do mundo, situado no norte da cordilheira do
Himalaia, invadido e anexado à China pelo governo de Mao Tsé-tung, parece mais
complexa do que sugerem argumentos e emoções em torno dessa pendenga
internacional.

O Tibete tem 2 100 anos de história e, em sua origem, foi uma monarquia belicista até
que, no século 7, sob a influência do imperador erudito Songtsen Gampo e do Budismo,
tornou-se o povo pacífico que conhecemos. Vem dessa época a ambição chinesa por seu
pequeno território, invadido e dominado pela primeira vez no século 18. A independência,
reconquistada em 1913, jamais seria aceita pelos chineses que, excitados pela revolução
comunista de Mao, retomariam o controle da região em 1950, sem que a ONU se
opusesse a esse ato.

A questão tibetana só sensibilizaria o ocidente depois da fuga do 14º Dalai Lama para a
Índia, já no contexto global da “guerra fria” e da polarização entre capitalismo e
comunismo. Mas ela é maior que interesses políticos e econômicos, embora relegada a
terceiro plano no atual tabuleiro diplomático, subjugado à economia. Trata-se de uma
questão humana e ética que merece não ser esquecida.

Há 15 dias, em Dharamsala, na Índia - reduto de refugiados e sede do governo tibetano no
exílio -, tive a minha indiferença ante o Tibete provocada pelas imagens fortes do
Monumento dos Mártires do Tibete e do Museu do Tibete, ambos situados junto à casa do
Dalai Lama Tenzin Gyatso. Claro, é uma visão parcial, mas que nos desperta para a real
dimensão do problema.

Como não se indignar diante da imagem do menino Gedhun Choekyi Nyima, sequestrado
em 1995 junto com a sua família, e, desde então, prisioneiro político do governo chinês
pelo simples fato de ter sido proclamado, pelo Dalai Lama, como a reencarnação do
Panchen Lama, o segundo na hierarquia religiosa tibetana? Na época, Nyima tinha apenas
6 anos de idade. O governo chinês determinou que outro menino, Gyaincain Norbu, filho de
um membro do Partido Comunista, é a verdadeira reencarnação do Panchen Lama.

Atentados aos direitos humanos, como esse, compõem com a lavagem cultural que vem
sendo feita no Tibete uma espécie de genocídio moderno no qual a alma de uma nação, a
sua identidade, é dizimada. A chamada Região Autônoma do Tibete viu sua economia
tornar-se robusta na esteira da explosão econômica da China e, certamente, sua
população desfruta hoje de uma qualidade de vida que seus antepassados jamais tiveram.
Mas...

A história nos dá exemplos de nações e etnias que resistiram, durante séculos e até
milênios, ao furor de  dominadores, conseguindo preservar sua identidade cultural mesmo
sob diáspora. Os judeus constituem, talvez, o caso mais emblemático desse tipo de
resiliência. Só o tempo, porém, nos dirá se os tibetanos sobreviverão ao furacão chinês
num mundo indiferente ao seu clamor.
                                                                                                                 [ Publicado na edição do Novo Jornal de 24/02/15 ]
A CASA DO DALAI - uma selfie de JM em frente à casa do Dalai Lama, situada no lado oposto do largo onde se encontra o templo Tsug Lakang.
HONRA AOS MÁRTIRES TIBETANOS - monumento na entrada do complexo que reúne o templo Tsug Lakang, um mosteiro e a casa do Dalai Lama.
VIDA E CORES DE DHARAMSALA - com suas vestes típicas cor de vinho, a comunidade tibetana em Dharamsala dá um colorido especial à cidade que até poderia ser rotulada de "Vaticano budista"
A segunda visita de JM à Índia é parte de um mochilão que teve início no Nepal, três meses antes do terremoto que abalou o país em abril de 2015. Assim, também recomendamos a leitura do relato de JM sobre a rica cultura nepalesa na reportagem O Nepal Que Eu Vi Antes da Terra Tremer