A luz na escuridão
Postado em 04 Aug 2017 19 39 OutroOlhar-provisori






Tropas nas ruas jamais resolvem  
a criminalidade, que se sustenta da  
exclusão dos pobres, da ganância  
dos ricos e da ignorância de ambos  

Imagem do jogo eletrônico Assassin´s Creed


por JOMAR MORAIS


Os dias são de perplexidade. Mergulhados no medo, esse combustível da máquina de iniquidades construída e operada pelo egoísmo e a ganância sob o verniz de instituições impotentes e corrompidas, parece ter restado aos brasileiros o pior roteiro reservado aos atores da vida: aquele em que personagens sem densidade pontuam cenas com lugares comuns entediantes e inúteis. As pessoas reclamam, mas se recusam a agir.

O medo que azeita a economia e mantém o sistema, fazendo-nos trabalhar, acumular e consumir por impulso em busca de um bem-estar sempre adiado para o dia seguinte, nos momentos de crise – aqueles em que o castelo de ilusões desaba e o rei, nu, já não consegue dissimular suas intenções – costuma nos manter acuados, atados às lamentações estéreis que não nos livram da obediência servil.

Para quem se deixou manipular, por ignorância ou por avidez, e assim contribuiu para que chegássemos ao estágio atual de degeneração do estado, apropriação das instituições por interesses privados e bestialização da sociedade, embriagada no culto do individualismo e da fatuidade, a previsão não é animadora. O que está aí deve piorar.

Tropas nas ruas jamais poderão eliminar a violência e a criminalidade que se sustentam da exclusão social dos pobres, da indiferença e ganância dos ricos e da ignorância de ambos, imersos numa cultura que menospreza os valores éticos e não considera a dignidade da vida e do homem. 

A prática política jamais será limpa e vocacionada para o bem comum enquanto não a encararmos como uma missão acima de nossas vaidades, ambições e interesses familiares ou corporativos.

As mudanças institucionais democráticas e justas jamais acontecerão sem que os indivíduos sejam justos em seu proceder diário e se disponham a exercer seus direitos na urna e nas ruas.

Para quem não perdeu a fé em Deus, no homem e na história, ao contrário, esse pode ser um momento significativo e necessário, ainda que sofrido. Quando não  temos, ou desprezamos, a capacidade de refletir sobre a vida e pensar nossas ideias, atitudes e ações, é a dor que nos leva à saída do labirinto. “É necessário que os escândalos venham”, dizia Jesus.

A boa notícia é que nada é para sempre. Tudo passa. O mal contém em si mesmo o seu remédio, amargo e doloroso, sempre aplicado quando a inteligência e o sentimento não dispõem de alternativas.

Isso não é crença. É constatação. As páginas da história  comprovam que os grandes saltos da humanidade foram  gestados no útero de crises monumentais em que o declínio  do velho e inservível deu lugar à ousadia das experiências inovadoras.

Por enquanto, no Brasil – e no mundo - o que se está tentando é salvar estruturas e interesses velhos e corrompidos, ampliando muros e intensificando a iniquidade social. Essa fórmula é anacrônica e não funcionará.

Queira Deus que a solução inevitável não nos chegue navegando em rios de sangue na noite escura da violência do estado, da elite insensível e das legiões do crime organizado.

[ Publicado na edição do Novo Jornal de 01/08/17 ]

Clique no menu no alto da página e passeie por outros conteúdos do site.
Veja os vídeos da TV Sapiens >>> www.youtube.com/sapiensnatal

Para abrir a janela de comentários, clique sobre o título do texto ou sobre o link de um comentário >>:
Para abrir a janela de comentários, clique sobre o título do texto ou sobre o link de um comentário

Deixe seu comentário
Seu nome
Escreva aqui
Código de confirmação